(0)
(0)

Imposto sobre mais-valias – novas regras para 2023

Mais-valias – as alterações

Antes de 2023, existiam diferentes métodos de cálculo do imposto sobre as mais-valias, consoante a residência do proprietário do imóvel. Esta situação levava a que os proprietários de imóveis não residentes em Portugal pagassem mais imposto sobre as mais-valias do que os residentes.

Na sequência de vários processos de teste em tribunais nacionais e europeus, o Estado português viu-se obrigado a alterar as regras de cálculo do imposto sobre as mais-valias relativamente a quem não é residente em Portugal. O regime anterior foi considerado discriminatório.

Anteriormente, os não residentes eram tributados a uma taxa fixa de 28% sobre a totalidade da mais-valia. Os residentes são tributados numa escala escalonada e 50% do ganho é tributável, mas usando as taxas normais de imposto de renda (o máximo é 48%). Enquanto um não residente pagaria 28% de imposto sobre as mais-valias, um residente pagaria até 24% (que é 50% da taxa máxima de imposto de 48%).

A partir de agora, o imposto sobre as mais-valias para os não residentes será calculado da mesma forma que para os residentes. O resultado líquido desta medida é uma taxa mais baixa de imposto sobre as mais-valias para os não residentes. A taxa real de imposto que será paga não é um cálculo simples, pois existe um sistema escalonado de taxas de imposto, que aumenta de acordo com o rendimento total do ano. As mais-valias são tratadas como rendimentos no sistema português, pelo que qualquer ganho é adicionado a outros rendimentos nesse ano. A taxa de imposto varia entre 14,5% e 48%, e é importante lembrar que as mais-valias são tributadas a 50% do ganho.

Já vi artigos (ou anúncios a oferecer serviços fiscais) em que se anunciava uma “redução de 50% no imposto sobre mais-valias”. Na grande maioria dos casos, uma redução de 50% não é possível, mas as futuras facturas fiscais serão reduzidas.

Comunicado oficial

 

A repartição de finanças (finanças) emitiu um comunicado para explicar a sua posição em relação a estas alterações (Ofício Circulado N.º: 20255, que pode ser visto no final deste blogue). Este facto introduz dois pontos importantes.

 

Para o cálculo das mais-valias, os não residentes são obrigados a declarar todos os rendimentos mundiais, apenas para efeitos de cálculo da mais-valia (uma vez que os não residentes não pagam imposto sobre os seus rendimentos fora de Portugal). Será interessante ver como é que a administração fiscal tenciona aplicar esta disposição, uma vez que a recolha dos rendimentos mundiais dos não residentes será um desafio. Ao incluir a renda mundial no cálculo do imposto, isso garantirá que a maioria dos vendedores não residentes de uma propriedade em Portugal estará pagando imposto sobre ganhos de capital na extremidade superior da escala.

 

Um segundo ponto importante é que todos os ganhos de capital não residentes até 31 de dezembro de 2022 serão tributados usando o regime antigo (taxa fixa de imposto de 28%)

 

Tratamento igual

Com base nas informações atuais, as regras de não residentes serão aplicadas a cidadãos da UE e de fora da UE, o que é uma boa notícia para aqueles que vivem (ou não vivem mais) em um país da UE.  

 

Ofertas de pedidos retroactivos

Há empresas e indivíduos que se oferecem para apresentar pedidos retroactivos de reembolso do imposto sobre mais-valias, em relação aos ganhos obtidos antes de dezembro de 2022. É evidente que a administração fiscal considera que não tem de aceitar estes pedidos, mas isso não significa que a administração fiscal esteja correcta. Pedimos a opinião de dois contadores de confiança e ambos acharam que não havia mérito em tentar reivindicar retrospetivamente.

 

Nossa opinião é que, se você quiser tentar uma reivindicação retrospetiva, e a diferença entre o valor do imposto sobre ganhos de capital que você pagou e o valor que pagaria sob o novo regime for significativa, então pode valer a pena uma aposta. No entanto, se os honorários que lhe estão a ser cobrados para levar a cabo esta reclamação especulativa forem elevados, talvez seja melhor manter o status quo.

 

Conclusão

No geral, esta é uma boa notícia, uma vez que a taxa de imposto sobre as mais-valias para os não residentes que vendem uma propriedade em Portugal foi reduzida, e foi emitida uma diretiva clara pelas autoridades fiscais em relação a isso.