(0)
(0)

Certificados energéticos em Portugal

Introdução

Quando se procura um imóvel para venda ou arrendamento em Portugal, a classificação do certificado energético aparece em qualquer anúncio. Muitas pessoas pensam que basta olhar para a classificação (que é apresentada numa escala colorida de A (melhor) a F (pior)). No entanto, embora a classificação do certificado seja um bom guia inicial quanto à eficiência energética, o certificado precisa de ser examinado em pormenor para compreender o quadro completo, uma vez que contém algumas outras informações úteis.

Casas antigas versus novas construções

Todas as propriedades recém-construídas têm de obter uma classificação de A ou superior. Isto garante que (com base nos critérios utilizados para criar o certificado) todas as propriedades recentes devem cumprir um padrão razoável de eficiência energética. Quando o engenheiro inspecciona o imóvel para calcular a classificação energética, dispõe de informações precisas sobre os métodos de construção utilizados, pelo que o certificado representa a construção real (se o imóvel tiver sido construído de acordo com o projeto de construção).

Ao avaliar um imóvel mais antigo, o engenheiro tem de estimar o tipo de construção, uma vez que é impossível saber como o edifício foi construído. Estas estimativas baseiam-se na idade do imóvel (e nos métodos de construção utilizados na altura), e são normalmente pessimistas, de modo a não sobrestimar a eficiência energética de um edifício. Infelizmente, esta é uma das grandes limitações do certificado energético, uma vez que uma propriedade muito bem isolada (ou que tenha sido novamente isolada desde a sua construção) terá a mesma classificação energética que um edifício mal isolado da mesma idade. Em muitos casos, a classificação energética pode ser enganadora.

Claramente, quando está a comprar uma propriedade mais antiga, não se deve concentrar apenas na classificação energética, mas olhar para os outros detalhes contidos no certificado energético.

Certificados energéticos – os detalhes

Um certificado típico é dividido em 14 secções, e vamos dar uma breve explicação de cada uma delas. Um exemplo de um certificado energético pode ser descarregado no final desta página, sob o título “Descargas”. Este exemplo foi editado e foram adicionados títulos a cada secção, para permitir uma melhor compreensão de cada secção.

Secção 1 – O imóvel

A introdução ao certificado inclui uma fotografia do imóvel, a sua morada, os dados da certidão do registo predial e da repartição de finanças e a área útil total.

Certifique-se de que a fotografia no certificado é a mesma do imóvel que está a comprar ou a arrendar!

Secção 2-Estimativas de energia

Esta secção explica as quantidades estimadas de energia necessárias para aquecer o imóvel (aquecimento), arrefecer o imóvel (arrefecimento) e fornecer água quente (água quente sanitária).  

No lado esquerdo, a quantidade de energia necessária para atingir o valor médio de referência é dada (referência), a quantidade que esta propriedade usará (edifício) e a quantidade produzida por energia renovável (renovável).

No lado direito estão 3 caixas que mostram se o valor para esta propriedade é menos eficiente do que a linha de base (menos eficiente) ou mais eficiente (mais eficiente).

Obviamente, quanto mais eficiente, melhor.

Secção 3-Os cabeçalhos

Esta secção mostra a classificação geral da propriedade, de A+ a F. Mostra também duas estatísticas úteis, na parte inferior da secção:

  • Quantidade de energia renovável que o edifício utilizará
  • Toneladas de CO2 que o edifício produzirá num ano

Secção 4-Detalhes da propriedade

Nesta secção encontrará uma breve descrição da propriedade, da sua envolvente, da orientação solar e dos sistemas de arrefecimento, aquecimento e água quente.  

Secção 5-Desempenho térmico

Uma tabela simples descreve o desempenho térmico das paredes (paredes), telhados (cobertura), pavimentos (pavimentos) e janelas (janelas). Cada elemento tem uma breve descrição e, em seguida, uma classificação (de 0 a 5 estrelas) para ilustrar o quão bem cada elemento irá isolar a propriedade.

É importante notar as letras pequenas nesta secção, que afirma que, quando não é possível provar que os elementos têm isolamento, será assumido que eles não têm. Assim, se um edifício tiver um telhado novo, com isolamento extensivo, mas isso não puder ser provado, não será considerado.

Secção 6-Ganhos e perdas de calor

Há dois gráficos úteis nesta secção, que ilustram como e onde o calor será perdido e ganho no inverno (inverno) e no verão (verão). Pode ver se a propriedade em questão é melhor (melhor) ou pior (pior) do que a linha de base, e quanto melhor ou pior será o seu desempenho.

Secção 7 – Possíveis melhorias

Esta é provavelmente a secção mais importante do certificado se estiver a comprar uma propriedade mais antiga. Dentro desta secção há recomendações sobre como melhorar a eficiência energética da propriedade.

Uma breve descrição de cada proposta incluída, e depois há uma tabela que indica (da esquerda para a direita) o custo das obras (custo estimado. …), em quanto pode reduzir os seus custos anuais de eletricidade (redução anual….),  e qual seria a classe energ&eacutetica se as medidas sugeridas fossem implementadas (classe energética após medida).

Há um resumo que confirma o custo total de todas as medidas (custo total….), a redução anual dos custos de energia (redução anual….) e a classificação energética após a implementação de todas as medidas (classe energética após medida).

Segue-se uma nota em relação à importância de selecionar corretamente os sistemas técnicos de um imóvel.

Secção 8-Definições

Nesta secção é dada uma explicação de definições comuns.

Secção 9-Diversos

Os detalhes do engenheiro que preencheu o certificado e a sua data de emissão, juntamente com um gráfico que mostra a distribuição dos certificados energéticos por todas as propriedades, estão contidos aqui.

Secção 10-Notas

Esta secção contém notas gerais, mas também uma lista dos documentos utilizados para preencher o certificado.

Secção 11-Considerações detalhadas

Deste ponto em diante, há muita informação técnica contida no certificado.

Esta secção apresenta um resumo pormenorizado dos cálculos efectuados pelo engenheiro, bem como as condições climáticas consideradas.

Secção 12-Estrutura

Nesta secção existe muita informação pormenorizada, relativamente ao desempenho térmico das paredes (paredes), coberturas (coberturas), pavimentos (pavimentos) e pontes térmicas (pontes térmicas planas).

Em cada secção é feita uma descrição da construção, a dimensão em m2 do elemento e a sua orientação solar, o seu desempenho térmico (expresso em W/m2 ºC e com uma classificação por estrelas). A classificação de base também é incluída como uma comparação.

Quando se olha para o coeficiente de desempenho térmico, quanto menor o valor, melhor o desempenho térmico.

Uma parte importante desta secção são as recomendações sobre como o desempenho térmico pode ser melhorado (medida de melhoria).

Secção 13 – Janelas e portas

Detalhes das janelas e portas estão contidos nesta secção, juntamente com o seu desempenho térmico. O formato desta parte do certificado é o mesmo da secção anterior.

Secção 14-Sistemas de aquecimento, arrefecimento e água quente

Também nesta secção se segue o mesmo formato das duas secções anteriores.

Há descrições dos sistemas instalados para aquecimento e arrefecimento, ventilação e fornecimento de água quente.

Isenções

O certificado energético é uma mina de informação, e deve (quase) sempre ser fornecido. Existem verdadeiras excepções para certos casos muito específicos, em que não é necessário um certificado energético.

  • Ruínas. Uma ruína (obviamente) não precisa de um certificado, no entanto deve ter uma declaração de um engenheiro a confirmar isso.
  • Propriedades pequenas com menos de 50m2

Por vezes há uma tendência para que as propriedades sejam anunciadas para venda ou arrendamento e sejam mostradas como estando isentas de ter um certificado energético, mesmo quando deveriam ter um. Esta situação é inaceitável, e as imobiliárias/proprietários não podem anunciar imóveis que não tenham certificados válidos.

Conclusão

O certificado energético contém muita informação, alguma da qual é útil para a maioria das pessoas, enquanto outra é mais técnica e não ajudará muitos compradores ou inquilinos.

Um dos pontos muito importantes que deve ser sublinhado é que, ao olhar para um certificado energético, não deve olhar apenas para a classificação. Se achar que a classificação não é tão boa como esperaria, leia todo o certificado e veja porque é que a classificação foi atribuída.

Uma das partes mais úteis do certificado são as actualizações propostas, os seus custos e o efeito na classificação. Poderá ficar surpreendido com o quão simples pode ser melhorar a eficiência energética de uma propriedade.

Se tiver alguma questão relacionada com certificados energéticos em Portugal, por favor envie-nos um email